Qual a importância do ministro de música na Igreja?

Texto extraído da página do Facebook “Vida Celebrada – Formação Litúrgico Catequética”; publicado em 29 de janeiro 12:19h.

O Ministério de Música pode ser definido de duas formas. A primeira delas: a ponta da lança.

O Ministério de Música é a ponta da lança, em todos os eventos e até mesmo na Santa Missa, ele precede a pregação e as leituras; é o canto que abre os corações. Por isso, por ser a ponta da lança – ou cumprir este papel – o ministro de música deve estar preparado para exercer a sua função. Quais são as formas que conhecemos para preparar-nos? A Eucaristia e a Confissão. É através da Confissão, pelas mãos do sacerdote, que somos perdoados e nos reconciliamos com Deus. E é através da Eucaristia que chegamos à intimidade com Deus, é através d’Ela que O recebemos e O sentimos em nosso ser. Sem essas duas armas, o músico não está preparado para exercer o seu ministério.

A outra definição de ministro de música é: “aquele que faz rezar”.

Se um ministro de música, diante de uma assembléia de cinco mil pessoas, conseguir – com seu canto – levar uma pessoa à conversão ou fazer com que ela renove o gosto pela oração, ou que ela imediatamente comece a orar, a sua missão, naquele dia, está cumprida! Com a suavidade do canto, ou com a humildade ao ministrar, o ministro é capaz, sim, de levar uma pessoa de volta para Deus. E a música tem justamente esta característica: ela FICA NA MEMÓRIA, tanto que, quantas vezes, nos surpreendemos com aquela música que “não sai da nossa cabeça”?

A Bíblia também nos traz vários exemplos do ministério que tranquiliza, que alegra, que devolve à paz e que – muitas vezes! – nos convoca à luta, pela força do canto, pelo vigor:

1) 1 Samuel 16,23: “E sempre que o espírito mau, permitido por Deus acometia o rei Saul, Davi tomava a harpa e tocava. Saul acalmava-se, sentia-se aliviado e o espírito mau o deixava”.

2) 2 Reis 3,15-18: “Eliseu disse: ‘trazei-me um tocador de harpas.’ Apenas fez o tocador vibrar as cordas, veio a mão do Senhor sobre Eliseu… e ele profetizou dizendo: ‘Ele também vai entregar Moab em suas mãos.’”

3) 1 Cor 15,16-22: “Davi disse aos chefes dos levitas que estabelecessem seus irmãos como cantores com instrumentos de música, cítaras, harpas e címbalos, para que sons vibrantes e alegres se fizessem ouvir. Os levitas constituíram Hemã, filhos de Joes, e dentre seus irmãos, Asaf, filhos de Baraquias… Zacarias, Osiel, Semiramot, Jaiel, Ani, Eliab… os porteiros. Os cantores Hemã, Asaf e Etã, tinham címbalos de bronze… Zacarias, Osiel, Semiramot… tinham cítaras em soprano…”

Outra coisa importante que não podemos deixar de falar: o ministro de música é tão importante quanto o liturgista. Continuamente temos que lutar para que não faltem músicos nas nossas missas. Se assumimos um dia da semana para tocar, faça chuva ou faça sol, o músico tem que comparecer, a menos que se trate de situação grave (enfermidade, falecimento na família, etc.). Ainda assim outro ministro de música deve ser comunicado!
Fonte: http://www.fundacaofraternidade.org.br

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s